13:13:01 Quarta-Feira, 29 Março 2017
Muito Nublado

20°C

  • Fepsa

O cultivo de vinhas e a produção de vinho no Douro remontam há milhares de anos, reforçando assim a importância que, desde sempre, assumiram para o desenvolvimento e crescimento económico desta região.

Existem registos de vinhas, lagares e adegas nas margens do rio Douro desde o período romano, mas outros povos que por lá passaram fizeram crescer a importância deste produto, que se tornou imagem de marca da cidade do Porto.

O século XIV marcou o início da tendência de internacionalização do vinho do Porto, um vinho diferente por ser fortificado. As uvas, plantadas e cultivadas nos imensos montes Douro acima, eram depois transformadas em vinho e transportadas pelos barcos rabelos (actualmente utilizados para passeios turísticos) até às caves do vinho do Porto, locais frescos e húmidos, situados na margem sul do rio Douro, no lado de Vila Nova de Gaia, onde o vinho era armazenado e depois comercializado, podendo seguir então para diferentes partes do mundo, principalmente para Inglaterra. Os ingleses apreciavam de tal forma este vinho, mais forte e de sabor diferente, que eles mesmos apostaram na produção e criação de empresas de vinho do Porto nesta cidade.

Com o passar dos anos, os antigos hábitos de produção e transporte do vinho do Porto mudaram. Agora, chega por estrada às caves, onde muita produção é ainda armazenada para envelhecimento do vinho. Hoje em dia, cada empresa tem a sua unidade de produção, na região do Douro, com todas as condições necessárias para o cultivo e tratamento. O Alto Douro Vinhateiro foi a primeira região produtora de vinho do mundo a ser regulamentada, no ano de 1756. O potencial económico deste produto foi, desde cedo, descoberto e abraçado, pelo que, ainda hoje, faz sucesso por todo o mundo.

Para além do vinho do Porto, existem ainda os vinhos de mesa do Douro. A região do Douro é cada vez mais conhecida pelos excelentes vinhos tintos, brancos, moscatel e espumantes, conseguidos a partir de uvas também cultivadas nas encostas banhadas pelo rio Douro e em solos de xisto e de granito.

Este sector, em permanente crescimento, tem como principais países importadores o Reino Unido, França, Bélgica, Holanda, Alemanha, Dinamarca, Espanha, Canadá e Estados Unidos.

Dezenas de milhares de pessoas trabalham na produção e comercialização do vinho do Porto e dos vinhos do Douro, incluindo agricultores, produtores e comerciantes.

A Sogevinus é uma das maiores empresas exportadoras de vinho do Porto e de vinhos DOC (Denominação de Origem Controlada — uma classificação de controlo de qualidade do vinho). Dentro dos vinhos do Porto, possui marcas tão conhecidas como Kopke, Burmester, Cálem e Barros.

A Sogrape Vinhos é detentora da famosa marca de vinhos do Porto Casa Ferreirinha, mas também da Offley e Sandeman. Produz ainda vinhos de mesa, como o famoso Mateus Rosé, uma marca que conquistou o mundo.

A Symington Family Estates possui os vinhos do Porto das marcas Graham’s, Dow’s e Cockburn’s, mas também produz vinhos de mesa.